11/09/2017
A nova dieta: low carb
Reduzir carboidratos drasticamente está em alta, mas saiba se você pode aderir a este tipo de dieta
Kesia Vasti

A dieta Low Carb foi baseada na dieta desenvolvida pelo cardiologista americano Robert Atkins, que consiste em reduzir drasticamente os carboidratos da dieta. Isso gera um processo de cetose, onde o fígado produz pequenas moléculas orgânicas chamadas corpos cetônicos utilizando a gordura como fonte de energia, levando, assim, à perda de peso. Na dieta cetogênica, alimentos ricos em proteína e gordura são liberados para o consumo em livre demanda até que o individuo sinta-se saciado. 

A dieta cetogênica também é utilizada para o tratamento de crises epilépticas, já que mantém uma produção contínua de corpos cetônicos via hepática e após vinte dias de dieta, o metabolismo cerebral se adapta a esta condição e passa a utilizar os corpos cetônicos como fonte de energia ao invés da glicose. Esta mudança no metabolismo cerebral interfere na excitabilidade neural, diminuindo a atividade elétrica anormal, reduzindo as crises epilépticas.

Porém até para o tratamento de crises epilépticas, o tratamento tem um tempo determinado, pois a principal fonte de energia para o cérebro é a glicose, que é obtida através dos carboidratos. A pessoa que fizer esta dieta deve ser acompanhada regularmente por médico ou nutricionista. Por ser uma alimentação rica em proteínas, o colesterol pode ficar elevado, pois muitas fontes de proteínas são ricas em gorduras. Também é possível que o corpo sofra com deficiência temporária de alguns nutrientes devido ao caráter restritivo da dieta.

Como a dieta de Atkins é muito restritiva e leva à deficiência de nutrientes, foi criada a dieta Low Carb, que permite a ingestão baixa de carboidratos (100g/dia), frutas e hortaliças mantendo um equilíbrio e auxiliando na perda de peso. Porém, vemos alguns profissionais incluindo alimentos embutidos e ricos em gordura saturada neste tipo de dieta, o que não é saudável em minha opinião. Uma dieta Low Carb feita da forma correta pode ser adotada como hábito alimentar por um longo período visando a manutenção de peso e sem trazer riscos a saúde. Veja abaixo um bom exemplo de um cardápio low carb:


Café da manhã:

1 xícara de café ou chá (sem açúcar) + 1 omelete feito com 2 ovos inteiros
Lanche da manhã:
½ xícara de morangos


Almoço:

Filé de frango grelhado e salada verde com azeite extra virgem

Lanche da tarde:

½ abacate avocado com canela

Jantar:

½ lata de atum com salada colorida

Ceia:

3 castanhas de caju

Apesar desta dieta parecer a solução da obesidade, não é indicada para todas as pessoas principalmente para gestantes, lactentes, portadores de doença renal, hipercolesterolêmica (colesterol alto) e pessoas que tem um alto gasto energético diário (trabalho braçal, praticantes de atividade física aeróbica e prolongada). Portanto, antes de começar a modificar sua alimentação consulte um nutricionista e veja qual a melhor opção pra você.

Kesia Vasti é nutricionista e personal diet.

 

MAIS LIDAS

Sua vida mais doce
Doces em excesso podem causar prejuízos à saúde


Dieta x Reeducação Alimentar
Você sabe a diferença entre dieta e reeducação alimentar?


Detox, a dieta da faxina
Dica de ouro após os exageros do fim de ano


Lancheira saudável
Capriche no lanche do seu filho


Suco ou fruta?
Nada é melhor que consumir a fruta in natura



NOVIDADES
WTV

 FACEBOOK  WTV  NEWS
Centro de Publicações da Igreja Metodista Wesleyana com sede na Avenida Venâncio, 17 - Xerém
- Duque de Caxias - RJ - CEP 25245-500 | CNPJ: 15.732.218/0001-08

© Todos os direitos reservados. 2016