02/03/2018
Riscos do avivamento prolongado
Legado histórico, sim, idolatria ao passado, não!

O avivamento espiritual de ênfase pentecostal da década de 60 trouxe vida e crescimento à igreja histórica. Alguns desses movimentos se tornaram estruturas denominacionais, o que não foi ruim. Deus é Deus de ordem, e as estruturas podem servir aos movimentos do Espírito. Entretanto se não vigiarmos corremos alguns riscos de perdermos a glória de Deus, mas continuar usando o véu.

Alguns riscos e perigos que ameaçam o departamento wesleyano de 67:


1. O risco do comodismo: alguns dizem “vejam aonde chegamos!”, “Que bênção”, “se melhorar, estraga”, “vamos fazer uma tenda e ficar por aqui mesmo”. Mas o despertar de 67 foi só o começo e não o fim! Esperemos mais de Deus! Ele é poderoso para fazer “infinitamente mais” (Efésios 3.20).

2. O risco do saudosismo: “No início, Deus falava”, “no passado, Deus agia" etc. Já ouviu isso? Eu já. Esse discurso saudosista pra mim é uma forma de entristecer o Espírito Santo. Porventura, o Espírito do Senhor envelheceu? Cansou?

Boas lembranças sim! Legado histórico, sim, idolatria ao passado, não! Ele é o mesmo hoje, e existem milhares de joelhos que não se dobraram a Baal. Deus está agindo hoje em nossa igreja, mas alguns não querem ver. Todavia tudo pode ficar sempre melhor (Filipenses 1.6). O fato é que alguns se contentam com pouco e outros vivem só da história.

3. O risco do engessamento litúrgico e metodológico: trata-se daquele discurso que diz: “sempre foi feito assim”, “há 51 anos fazemos desse jeito” etc. Concordo que existem métodos e liturgias bíblicas que são quase intocáveis, mas existem muitos métodos, estratégias e costumes que precisam ser contextualizados. A abordagem de Pedro aos Judeus em Atos 2 não poderia ser a mesma abordagem de Paulo no areópago.

Enfim, deve haver lugar para o novo de Deus, mas não a novidade pela novidade.

4. O risco do pedantismo e da arrogância: sim alguns grupos bem sucedidos que se mantêm em ascensão no universo eclesiológico correm o risco de se tornarem pedantes, orgulhosos e fechados ao aprendizado. O tempo pode fechar nossos ouvidos espirituais, vejam esse texto:

“Melhor é o mancebo pobre e sábio do que o rei velho e insensato, que não se deixa mais admoestar” (Eclesiastes 4.13)

5. Por outro lado, o risco de uma baixa estima institucional também é possívelSim, porque depois de algum tempo alguns irmãos e líderes acabam se acostumando com a excelência e perdem a perplexidade perante o sagrado, o “sagrado nosso” de toda semana. Quando isso acontece a “grama do vizinho” parece mais verde do que a nossa. Todavia a reunião, o culto mais simples e menos sofisticado, que conta com a Presença Santa, jamais é uma “simples” reunião, é um evento único.

É claro que a Igreja de Cristo é um corpo vivo, e ela esta na denominação apesar de não ser uma denominação, ela é maior. Por isso, não permitamos que o tempo nos engesse, nos torne arrogantes e nem esfrie nossa paixão pela Igreja. Estrutura e vida não precisam ser coisas antagônicas.


Enfim: vigiando esses riscos e deixando o Espírito Santo nos reinventar a cada geração; vivendo em santidade e poder seremos sempre relevantes e atuais; dialogando com as necessidades humanas de todas as gerações. Não sem perseguições, é claro.

Bispo Anderson Caleb é superintendente da 1ª Região Eclesiástica

 

MAIS LIDAS

O programa e a presença
O programa não pode extinguir o Espírito, a presença


Quando a polícia some
Reflexões sobre a crise de segurança no Espírito Santo


Wesleyanos que não gostam de ler?
Leia bons livros, saiba escolher, sobretudo leia a Bíblia


Oração e Política
Somos cidadãos do céu, mas não podemos perder a consciência de nossa cidadania brasileira


Teologia do "não"
Ninguém gosta de ouvir um "não", mas ele tem salvado muita gente



NOVIDADES
WTV

 FACEBOOK  WTV  NEWS
Centro de Publicações da Igreja Metodista Wesleyana com sede na Avenida Venâncio, 17 - Xerém
- Duque de Caxias - RJ - CEP 25245-500 | CNPJ: 15.732.218/0001-08

© Todos os direitos reservados. 2016